Relatório Semanal 08/2017


A semana foi marcada por mais um corte de 0,75% na taxa de juros, o que de certa forma já era esperado pelo mercado. Importante frisar que a nota divulgada pelo Copom dá sinais de uma possibilidade de o próximo corte na taxa de juros ser de 1%, desde que a inflação continue mostrando sinais claros de redução, mas também com o objetivo de alterar mais rapidamente a evolução da atividade econômica, ainda estagnada.

Assim, até a próximo reunião, que ocorrerá nos dias 10 e 11 de abril, será muito importante acompanhar os índices inflacionários e a atividade econômica, os quais poderão dar sinais de que o Copom irá intensificar os cortes na taxa de juros, como é o caso do IGPM divulgado para fevereiro, que fechou em 0,08%, frente a uma alta de 0,64% no mês anterior e de 1,29% de um ano antes, reduzindo o acumulado de 12 meses para 5,38%.

O IBC-Br para 2016, considerado como a prévia do PIB, também dá sinais de uma necessidade de cortes maiores na taxa de juros, apontando uma queda de 4,34%, pior que em 2015, que havia sido de 4,28%. Esse índice é apenas uma prévia do PIB, uma vez que é divulgado pelo Banco Central e tem metodologia diferente daquela calculado pelo IBGE, o qual deverá divulgar o seu dado em 7 de março próximo.

Entre os fundos imobiliários, o destaque fica por conta do relatório do BCFund e o seu Webcast de apresentação de resultados. Destaco que eles auxiliam também na compreensão de CNES11b e ALMI11b.

O webcast de apresentação dos resultados do BCFund auxilia um pouco a compreender as preocupações com o mercado imobiliário no Rio de Janeiro, alerta que vem se dando com frequência aqui no DesmistificandoFII. O gestor mostrou a preocupação de se manter focado em imóveis na cidade de São Paulo, pois acredita que este irá se recuperar mais rapidamente que o mercado do Rio de Janeiro. O gestor destacou, em sua fala, que considera o mercado imobiliário do Rio de Janeiro muito difícil, pois ainda há uma continuidade na oferta e uma redução na demanda.

Destaco esta fala por ser idêntico ao que se vem abordando aqui nos relatórios do DesmistificandoFII e por corroborar com a tese de que o investidor deve continuar mais focado na aquisição de fundos proprietários de imóveis em São Paulo.

Apesar de tratar melhor sobre o relatório do BCFund mais a frente, no tópico próprio, destaco desde já o que foi explicado pelo gestor em seu Webcast. Informou-se que a Petrobrás pagou os valores devidos pela rescisão e que esses valores farão parte do rendimento durante o semestre, esclarecendo a forma que se dará este pagamento adiante.

Destaco, ainda, a queda nos rendimentos dos fundos de recebíveis, que possuem diversas causas. Além das quedas dos juros e dos índices inflacionários, o que se vem também alertando aqui no DesmistificandoFII, este mês os fundos de recebíveis pagam os lucros referentes a dezembro, o qual teve um menor número de dias úteis, consequentemente, afetam os lucros desses fundos. Assim, no próximo mês será natural que esses fundos melhorem os seus rendimentos, voltando a reduzir no mês subsequente, quando são pagos os rendimentos de fevereiro, o mês com o menor número de dias úteis do ano.

Por fim, continuando as melhorias do relatório semanal, esta semana o assinante passar a contar com a tabela completa dos valores por m2 de todos os fundos imobiliários que investem diretamente em imóveis e os seus respectivos valores disponíveis em caixa. Nessa parte do relatório, destaco as diversas explicações sobre as áreas e a composição do caixa de cada um dos fundos, pois por meio dessas informações é possível entender melhor diversos fundos.

 

Esse relatório ainda tem comentários sobre os seguintes fundos:

– relatórios mensais: ABCP11, BRCR11,

– fatos relevantes: ALMI11b, EDGA11b, EURO11, FEXC11b, FFCI11, JRDM11b, KNCR11, PLRI11

– rendimentos: AEFI11, FLRP11b, KNCR11

 

Para ler na íntegra este relatório e mais 1 (um) relatório por semana, assine hoje mesmo o nosso serviço no seguinte LINK, apenas a partir de R$ 12,90 por mês.

Rodrigo Costa Medeiros

É analista de valores mobiliários, CNPI 1597.